terça-feira, 23 de julho de 2013

O Capitão Saiu Para O Almoço E Os Marinheiros Tomaram Conta Do Navio - Charles Bukowski

...e que dia triste foi aquele que o velho safado fechou os olhos de vez. Aparentemente levando a literatura contemporânea junto consigo para o túmulo, pelo menos Bukowski conseguiu terminar sua última obra, Pulp, para enfim conseguir morrer em paz. Pelo menos era o que parecia.

Mais marcante que os vícios e personagens marginais em sua literatura, só o teor autobiográfico. Então, nada mais justo que selecionar algumas partes do diário pessoal do velho Buk para depois editá-las em um livro, certo? Certíssimo, como ele mesmo reconheceu e começou o trabalho. E assim nasceu sua obra póstuma de título longo, O Capitão Saiu Para O Almoço E Os Marinheiros Tomaram Conta Do Navio.

O livro é mais do mesmo de Bukowski. Por 'mais do mesmo', entende-se que como sempre é um livro que aborda questões 'desagradáveis' para a grande maioria das pessoas (do pastor fundamentalista ao cara que sai na rua com uma camisa escrito 'FREE HUGS') com distribuição indiscriminada de críticas ácidas e cruelmente realistas a toda e qualquer pessoa, principalmente ele mesmo.

 Arrisco dizer que a fama do autor foi limitada também justamente por causa de sua característica mais marcante, a capacidade de retratar com perfeição a miséria humana. Esse é um dos livros que você não vai conseguir ler sem se questionar a respeito da mediocridade e falta de sentido da vida. Ler Bukowski é um prazer masoquista afinal de contas.

O livro aborda questões filosóficas, sociais, literárias e principalmente reflexões de um gênio literário sobre a morte, sentindo a própria batendo na porta (como estava mesmo). Além disso, há as indispensáveis menções aos vícios preferidos do velho safado, como o álcool e o hipódromo. O livro também pode ser considerado um 'capítulo final' aos outros livros do Buk: se 'Misto Quente' é o retrato desromanceado da juventude, 'Factótum' a narrativa da miséria da vida adulta e 'Mulheres' do desespero da meia idade, 'O Capitão Saiu Para O Almoço' é toda a desilusão e sabedoria da velhice.

Bukowski é divertido sem ser idiota, filosófico sem ser pedante, crítico sem ser hipócrita. Não há muito o que falar sobre esse livro numa resenha, ele pode ser muito brevemente resumido com suas características principais como acabou de ser, ou ser escrito e abordar com a devida profundidade e estilo único do autor, como felizmente foi feito. Se você conhece Bukowski, leia esse livro e se aventura na mente do velho safado,  do livro que ele nunca escreveu, da literatura de Bukowski para Bukowski. Se você não conhece, faça um favor a si mesmo e conheça.