sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Making faces – Amy Harmon

Making Faces
Amy Harmon

(Dá pra dar uma olhadela no livro no site da Amazon)

Making faces é um livro que saiu lá na gringa em outubro do ano passado e que eu conheci num dos canais literários por aí (depois dei uma passada no GoodReads e vi que tinha um score de 4.6!), não vou falar exatamente como eu fiquei sabendo da história do livro pois seria um spoiler atrás do outro.
A "meada" da história é dada pelo relacionamento (ou quase isso) entre Ambrose e Fern: Ambrose, o adolescente bonitão, lutador de luta greco-romana e Fern uma ruiva meio desengonçada que gosta de ler e escrever romances. Ele "percebe" ela de uma maneira meio alternativa, por assim dizer, e começa a gostar dela. 

Mas ela não era ela, sacou?
Não?
Não vou contar então...
"Before or After? Fern: Before, anticipation is usually better than the real thing. Ambrose: After. The real thing, when done right, is always better than a daydream. "

No meio dessa história acontece o atentado do 11 de setembro. Esse é um ponto crucial no livro, pois vemos o patriotismo americano, o sentimento confuso e o começo de todas as perdas do livro. É interessante ver como esse atentado realmente mudou a cabeça dos americanos, no livro essa mudança faz com que Ambrose e os amigos se alistam como soldados na guerra para ir para o Iraque.

E as perdas continuam....

A história de Ambrose e Fern passa de "Patinho Feio" para a "Bela e a Fera" durante o livro, mas sinceramente, não foi isso que me prendeu ao livro.

Foi um personagem específico.

Bailey.

Bailey é o primo/melhor amigo de Fern, que tem distrofia muscular e aos poucos vai perdendo o controle sobre o próprio corpo. O papel dele é tão importante no livro, que mesmo ele sendo um personagem "secundário" eu me prendi muito mais a sua história do que de todos os outros. Ele mostra o quanto é grato por tudo que tem, pelo simples fato de viver, mas ele não é um personagem chato cheio de mi mim mim, muito longe disso, ele é um adolescente (quase) normal: ele vai para as aulas, para a festa de formatura, ele tem um grupo de amigos, ele faz uma tatuagem,etc... tudo isso consciente das suas limitações.

Pra mim, ele é o real heroi dessa história....
“Live. Have courage. Be a good friend. Always be grateful. Take care of Fern”
Uma das coisas que mais me chamou atenção no livro foram as explicações dadas durante os capítulos. A Amy coloca em quase todos os capítulos um "retrospecto" e você entende o desenrolar de cada enredo pois todos tem uma conexão com algum fato do passado. Uma coisa que eu não gostei foi o fato do livro ser em terceira pessoa, acho que seria muito mais envolvente (mais do que já é) se fosse contada em primeira pessoa, com alternância dos pontos de vista do Ambrose/Fern/Bailey, mas é só uma ideia.

Resumindo, Making faces é uma história de perdas
e ao mesmo tempo uma história que mostra que todos nós podemos ser herois...

Depois de Making Faces creio que o mais conhecido da Amy seja A Diferent Blue, mas ela ainda tem vários outros livros.  Tá aí uma autora para ficar de olho ;)

P.S..:Não achei nenhuma previsão pra vir para o Brasil, na verdade não achei nem mesmo uma editora que tenha comprado os direitos do livro...