sábado, 4 de julho de 2015

A Menina Que Brincava Com Fogo – Stieg Larsson (Millennium – 2)


Mais uma vez Mikael e Lisbeth se veem trabalhando juntos, dessa vez, porém, o escândalo se da com Lisbeth, que de uma hora para outra se vê como procurada por três homicídios. Esse volume assim como o anterior não decepciona, na verdade ele é até mais interessante: nele conhecemos melhor a estória e a mente de Lisbeth, e como a negligência e a corrupção alteraram o que ela poderia vir a ser.

Tudo começa com um grande novo furo que a Millennium conseguiu juntamente com seu novo colaborador, Dag Svensson, que além de render um numero especial da publicação ainda terá um livro publicado, com o mesmo e polemico tema: o “comercio” sexual. Até ai á estória não tem grande ligação a Lisbeth, até os corpos começarem a ser achados. Em todo o livro ficamos presos à curiosidade de entender qual é a real ligação de Lisbeth com os assassinatos, e mais ainda descobrir seu passado, é claro que os personagens exóticos e as situações brutais a que eles passam também foram fatores positivos para a trama, é difícil encontrarmos livros que tem como temas a violência e o abuso escritos de forma tão “seca” – seca no sentido que não existem meias palavras, em muitos momentos do livro eu realmente fui levada a sentir as agonias vividas pelos personagens.

Da parte de Mikael podemos afirmar que ele não acredita que Lisbeth esteja ligada a assassinatos de pessoas que queriam desmantelar uma das principais organizações de exploração ao comércio sexual afinal “Lisbeth Salander era a mulher que odiava os homens que não gostavam de mulheres”.

É difícil falar desse livro sem me empolgar e já revelar milhares de detalhes, mas vou me limitar a dizer que ele é sem duvida uma das melhores continuações que eu já li, eu essencialmente sou fã de sagas fantásticas, mas olha, Millennium “bate na cara” de muita trilogia por ai.