domingo, 23 de agosto de 2015

Stardust, O Mistério da Estrela – Neil Gaiman

Meu primeiro livro de Neil Gaiman, Stardust foi uma escolha especial: eu adorei o filme, e queria realmente começar por esse livro.

O livro tem o enredo do filme, mas bem diferente. Uma promessa, uma estrela caída e uma viajem são o que acontecem, mas por um caminho diferente, no livro as relações e os acontecimentos são mais simples e corriqueiros – não é corriqueiro conseguir carona com um unicórnio, mas o modo como tudo acontece é muito “natural – talvez isso tenha feito com que eu lesse com mais rapidez, fiquei esperando algo mágico e extraordinário acontecer no livro, uma cena de tamanha beleza que compensasse tudo que era diferente do filme – e que eu tinha amado – e que não aconteceu. Na verdade, eu não achei o livro ruim, de maneira alguma, mas talvez eu tivesse uma sede de algo que o filme me mostrou e que não estava tão presente no livro de Gaiman. A estória continua muito bonita, e os acontecimento mágicos são muito legais, e o principal da estória esta la, mas no fim a bruxa má não era tão má, e o final feliz nem foi tão feliz assim, talvez tenha sido um choque de realidade em um mundo de criaturas fantásticas, eu esperava um estória com preto e branco, com limites claros e definidos, mas isso não aconteceu, porque talvez nem no nosso dia a dia seja assim.

No fim do livro eu fiquei meio triste, talvez a bruxa esteja certa: “Naquela hora, você deveria ter deixado que eu o tomasse [o coração], que o levasse para minhas irmãs e para mim. Nós poderíamos ter voltado à juventude, e ela duraria até a próxima Era do Mundo. Esse seu rapaz vai parti-lo, desperdiça-lo, ou perde-lo. É o que todos eles fazem.”, e é o que sempre acontece.