domingo, 8 de junho de 2014

King Of Thorns – Mark Lawrence (Trilogia dos Espinhos - Livro II)


Segundo livro da Trilogia dos Espinhos de Mark Lawrence, King Of Thorns traz um Jorg mais maduro, “temperado” – no sentido de tratamento térmico utilizado para tornar um metal mais resistente, ok? – e um verdadeiro rei a se seguir.

Orrin e Egan de Arrow – que coisa estranha de se escrever e dizer – descendem da linhagem do imperador que outrora governara o mundo da Trilogia dos Espinhos – apenas para constar, ficou muito mais claro que esse mundo é o nosso, e aparentemente é pós-apocalíptico – e segundo oráculos, profecias, runas e tripas de animais, Orrin estaria destinado a ascender a imperador, pena, pois os oráculos não previram Jorg Ancrath, ou talvez sim.

O livro se inicia 4 anos após a tomada do Assombrado – e consequentemente das Terras Altas de  Renar – em um momento muito delicado: o casamento de Jorg;  na verdade em dois momentos delicados, e simultâneos: o casamento de Jorg  em meio a tentativa de Orrin de tomar o Castelo Assombrado. A cronologia deste livro é um pouco mais confusa da adotada anteriormente, Jorg se refere hora, ao agora, ao dia do seu casamento, ora a 4 anos atrás, pelos caminhos que ele trilhou para chegar a este(a) lugar/situação. Claro que o nosso Jorg ainda é um líder nato que não tem medo de fazer o necessário para vencer, mas, ele evolui muito como pessoa, com 18  anos Jorg deixou de ser – parcialmente – aquele  garoto cruel, e ao meu ver se tornou apenas, um rapaz muito determinado, que mesmo fazendo coisas  “boas” em seu beneficio, as faz com um sentimento maior de comiseração – eu não sei se estou certa, mas senti isso.

Pois bem, Jorg cercado por todos os lados, por um verdadeiro mar, que é o exercito de Orrin, ainda consegue nos surpreender e assombrar, sua habilidade de fazer planos e acordos a longos prazos é estupenda, e seus conhecimentos sobre seu território acabam sendo decisivos, mais ainda, ele consegue ver além, teve uma coisa que me deixou de “queixo caído” no fim do livro, como ele descobriu ou adivinhou é um mistério para mim.

King of Thorns foi uma leitura rápida e hipnotizante, eu me demorei um pouco, pois tinha “medo” de alguns segredos que apareceram durante o livro – e eu não resisti e fui foliar as paginas – além disso, ele se mostrou ser uma excelente – a palavra certa é digna, uma continuação digna da saga – continuação para o já incrível Prince Of Thorns.