domingo, 13 de dezembro de 2015

Alice no País das Armadilhas – Mainak Dhar

Apesar de possuir elementos e referencias claras ao clássico de Lewis Carol, Alice no País das Maravilhas, o livro de Mainak Dhar vai bem mais longe que a fabula infantil.

Alice Gladwell é uma jovem de 15 anos, que convive diariamente com um mundo um tanto hostil: a Nova Déli de Alice é dominada por zumbis, um pequeno dano colateral decorrente de experimentos para fins bélicos; com o tempo e o treinamento ela se torna uma das principais atiradoras do acampamento em que vive com a família. Tudo vai indo da maneira mais normal possível, até que Alice acaba seguindo um “coelho branco” e cai direto na toca dos zumbis, depois de ver e conhecer a realidade por trás dos “mordedores” tudo muda, e Alice se vê cada vez mais envolvida tanto com os zumbis quanto com um grande esquema que promove a nova ordem mundial através do medo do desconhecido e do caos.

Mesmo contendo “componentes” já abordados em muitas estórias, principalmente nos últimos tempos – mundo pós-apocalíptico, um sistema que a mim soa como distópico, zumbis, e outros mais – esse livro traz algumas diferenças notáveis, além do cenário que é completamente diferente – sim, estávamos cansados de invasões nos EUA, tudo só acontece lá –, a protagonista, os diálogos – é importante dizer que achei esse livro bem satisfatório, se avaliado a partir da idéia do teste de Bechdel –, e a noção de que existe alguma organização mundial após o desastre e como essa organização se mantém.

A leitura de Alice no País das Armadilhas é rápida e divertida, os diversos embates e reviravoltas na estória, o tornam um livro dinâmico, os personagens são bem definidos – você vai odiar uns e amar outros, já até sei quais. Pelo que entendi esse é o primeiro livro de uma trilogia, por enquanto não tenho informações sobre os direitos das traduções das continuações, porém existe uma boa oportunidade de serem publicadas.