quinta-feira, 18 de setembro de 2014

O Rei de Amarelo – Robert W. Chambers



Considerado um clássico da literatura norte-americana e mundial, O Rei de Amarelo traz algo definido por H.P. Lovecraft como terror cósmico, ele na verdade é um livro composto por 10 contos que são divididos em duas partes que são divididas por dois contos: “O Paraíso do Profeta” e “A Demoiselle d’Ys”.

A primeira parte do livro é composta por 4 contos ambientados em uma realidade supostamente utópica, em que existe um livro (pelo o que eu entendi, esse livro é uma peça) intitulado “O Rei de Amarelo”, que traz pânico e desespero a quem o lê. O que me chamou atenção logo de cara foi esse livro/peça que segundo os contos traz verdades tão absolutas e brutais que leva seus leitores a diferentes estados de loucuras, de quadros parecidos a esquizofrenia até paixões doentias. È incrível como Chanbers cria toda uma atmosfera doentia por baixo de cenas claras e luminosas, em quase todos os momentos da estória eu visualizei as cenas repletas de sol ou de objetos luminosos, ou em lugares quentes e aconchegantes, porém logo na próxima pagina o desespero e um mal-estar súbito tomavam forma.

Composto também por 4 contos, a segunda parte é ambientada em Paris, apesar desses contos terem uma levíssima ligação com a primeira parte, eles são mais leves e menos “assustadores” e na maioria tratam da vida de estudantes de artes. 

Os dois contos de transição são bem interessantes, um é composto de diversos poemas em prosa que tem um fundo que eu achei ainda muito ligado a primeira parte – poemas com fundos mais escuros e ainda um pouco assustadores – e ainda “A Demoiselle d’Ys” que tem um jeito de terror, cheirinho de terror, mas que não me assustou necessariamente.

Achei o livro muito legal, gostei muito da primeira parte, inclusive eu cheguei a ter um “medinho” de ler ele em casa sozinha de noite – só quem me conhece e sabe do fantasma da Dona Aurora entende – a segunda parte é muito bem escrita, mas é mais tranquila, mais comum a romances, apesar de traços de “amarelo” também aparecerem nela.

Bem, se você estiver procurando um livro um pouco anterior a Lovecraft e ainda assim repleto de um terror de classe, O Rei de Amarelo é um bom começo.