sexta-feira, 17 de julho de 2015

Como ser mulher, Um divertido manifesto feminista – Caitlin Moran

Confesso que tive um certo preconceito em começar a ler este livro, afinal a primeira coisa que pensei foi "Ah! Mais um livro de auto ajuda! E pior, este ainda tenta me ensinar a ser mulher! Afff...", ledo engano! O livro pode servir como  uma introdução ao feminismo e como fonte de reflexão oque é ser mulher. Afinal... vocês já se perguntaram isso?
O livro é autobiográfico e começa com a autora, no seu aniversário de 13 anos, sendo perseguida e insultada por uns garotos. vale ressaltar que ela foge do "padrão" físico e familiar esperado, ela é a mais velha de sete irmãos, com mãe hippie e pai que ignora o crescimento das filhas e irmãos que se odeiam e se unem na mesmas medida quando necessário.
Logo após este aniversário vem sua primeira menstruação, que serve como marco para o fim de sua infância, e muito descontentamento, pois ela não deseja crescer. marco este compartilhado com sua irmã Caz, que também não se mostrou feliz com a situação (aliás ela raramente se mostra feliz com algo).
Enquanto conta um pouco de sua história Caitlin discute alguns problemas femininos, tais como depilação, ser magra, (tentar) não envelhecer, ser mãe, aborto, etc; mostrando como somos julgadas com base nessas coisas e não só no nosso caráter e/ou competências e habilidades. Ela exemplifica oque aconteceu com ela no primeiro jornal que trabalhou ao se ganhar fama mulher "fácil" e situações que passou por ser gorda.
A forma como ela se descobriu como mulher ao contar, de forma muito divertida, um pouco de sua história e defende o feminismo de forma não acadêmica. E propõe o questionamento sobre  ser ou não feminista, mesmo que você afirme não ser. Oque mais gostei da discussão de feminismo no livro é o fato de ela não defender o radicalismo e zombar de antifeministas, uma vez que as mesmas que escrevem contra o movimento se beneficiam das conquistas destes. Nos lembrando que também somos responsáveis pela perpetuação do machismo.
Sei que quando falamos de feminismo muitas pessoas torcem o nariz e imaginam um monte de mulheres odiando homens, mas não! Isso não é feminismo! Feminismo é a ideia de que mulheres e homens devem ter os mesmos direitos, só isso. A ideia de que não serei menos mulher se atrasar a depilação, ou mesmo se não a fizer; a ideia de que posso ou não ser mãe ou envelhecer, sem que o mundo me aponte e diga que isso é um absurdo! E é isso que ela discute no livro, que serve de muito bem de introdução/apresentação a essa ideia.