domingo, 14 de abril de 2013

A Pata da Gazela – José de Alencar



Uma vez iniciado e abandonado, “A Pata da Gazela” foi uma leitura muito mais agradável e divertida – não a ponto de eu rir de verdade, mas de fazer aquela cara de quem gosta de ver as coisas indo bem para o seu time – do que da primeira vez que eu tentei o ler.
A edição que eu possuo, e li vêm com aquela “explicaçãozinha” que às vezes ajuda e outras atrapalha a leitura, nesse caso, até que ajudou. “A Pata da Gazela” é como se fosse uma versão abrasileirada – lembrando que é referente ao século XIX – do conto da Cinderela – Irmãos Grimm – e da fabula “O Leão Amoroso” – La Fontaine. Ele conta a história de Horácio que se vê apaixonado pela dona de um sapatinho perdido, durante a história ele acha e perde a moça ou o pé da moça algumas vezes – é essa, não é essa, me caso, não me caso, etc. – em paralelo corre a história de Leopoldo e Amélia e do amor que acaba nascendo, e posteriormente crescendo a partir de um mal entendido, o desenrolar da história é divertido porque o “maravilhoso” Horácio – Um “Leão da Rua do Ouvidor”, o partidão da história – não consegue o que tanto queria e acaba perdendo a moça – e logicamente os pés dela também – para uma pessoa no mínimo mais sincera. Alias, Amélia acaba sendo uma mocinha muito mais esperta do que imaginamos que seria, no começo da leitura.
Leiam, é um bom começo, agora que eu li “A Pata da Gazela” eu não me sinto mais tão intimidada com o nome “José de Alencar”.