segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Guerra Civil – Stuart Moore (Adaptado dos quadrinhos de Mark Millar e Steve Mcniven)

Guerra Civil é o primeiro contato que tive com a “parte escrita” envolvendo heróis – nesse caso, do universo Marvel, já tinha lido Os Últimos Dias de Kryptom e Wayne de Gothan – , é claro que com a “enxurrada” de filmes que saíram nesses últimos tempos, o meu interesse por esse assunto se intensificou, e eu acabei buscando alternativas pro meu pequeno desvio de leitura: tenho problemas em me concentrar em quadrinhos, HQ’s, Mangás, etc.

O livro como já dito, é uma adaptação, por isso existem mudanças se comparada a estória contada pelas vias oficias – ou seja, revistas  – é interessante deixar isso bem claro, durante a leitura acabaram me dando spoilers dos quadrinhos mas o que me contaram nem aconteceu no livro.

Guerra Civil se passa em mundo um tanto confuso e caótico graças aos chamados meta humanos, seres humanos, ou não, que possuem algum tipo de poder ou habilidade, nata ou artificial, que muitas vezes desempenham o papel de “mocinhos” sem muita consciência sobre seus atos. E toda a tensão civil explode quando ocorre um acidente trágico envolvendo um novo grupo de heróis, a partir desse ponto existe uma divisão entre os vingadores: os que apoiam Stark, o Homem de Ferro, e consequentemente a lei de registro que visa tornar esses heróis “funcionários públicos” do governo dos EUA, e oferece entre outras coisas treinamento para novos heróis; e o grupo que apoia o Capitão América, e que acha abusivo esse “controle” que o governo tenta impor aos heróis. Não preciso nem dizer que a pancadaria “comeu solta”, e cada lado mostrou o quanto era forte, apesar de Stark sempre contar com o apoio do governo e da S.H.I.E.L.D., Capitão América se mostrou um bom líder com coragem o suficiente para dizer não a mão do governo – que durante varias partes realmente foi pesada e demasiadamente arbitrária.

É uma pena não poder dar mais detalhes do enredo sem o comprometer, posso dizer que como já era esperado um herói morre antes do “racha”, e que o Homem Aranha acaba sendo um personagem mais decisivo do que eu poderia esperar.